O Pássaro Observador

Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Fotos: Gustavo Sosa Pinilla
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Fotos: Gustavo Sosa Pinilla
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Pássaro na beira do mar: intervenção sobre foto de Davy Alexandrisky. Pássaro Impresso em serigrafia sobre foto de Eric Estevão. Fotos: Gustavo Sosa Pinilla
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Fotos: Gustavo Sosa Pinilla
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Fotos: Gustavo Sosa Pinilla
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Artista Ileana Hochmann com a curadora Mercedes Casanegra. Fotos: Gustavo Sosa Pinilla
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Claudio Massetti, diretor do Centro Cultural Recoleta; Rita Simoni, artista visual; Ileana Hochmann; Fernando Entin, galerista. Fotos: Gustavo Sosa Pinilla
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Convite da exposição O Pássaro Observador.
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Ñ, revista de cultura do Jornal Clarín. ed. 591. 24/01/2015.
Centro Cultural Recoleta Ileana Hocmann Buenos Aires
Revista Vanidades Ano 55, nº 01. 23/12/2014.

O Pássaro Observador, Centro Cultural Recoleta, Buenos Aires, Argentina 2014/2015

Imagens digitais, serigrafias, preciosos papéis de algodão impressos em tiras marulham nas paredes da sala. Mar e rio. O pássaro pousa e agora observa lá das ruínas de Pompéia o espectador em Buenos Aires. Na sala, o som inquietante de um bater de asas.

Uma gaivota “real”, atolada na areia, não consegue voar. Na mostra de Ileana Hochmann, a fotografia da ave*, que furiosa briga com as outras pelas tripas de peixe, transcende a existência para tornar-se ícone impresso em preto e branco, negativo e positivo, em objetos bi e tridimensionais. Obras e instalação, imagens e objetos, onde Ileana propõe uma instigante ação poética e conceitual. Travessias, viagens e um nomadismo através da história, um mesmo vocabulário que vai se transformando na medida do tempo/trajetória da artista. Sempre numa busca, onde cada mostra é uma estação do percurso.

“Recuperamos o arcaico, para viver em situação contemporânea. Para dizê-lo com Agamben: ‘a via de entrada para o presente possui necessariamente a forma de uma arqueologia.’”
Mercedes Casanegra, escritora, historiadora e crítica de arte (Argentina)

*Fotografia de Davy Alexandrisky



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *